Minha foto
Nome:
Local: Brazil

Sou feita de puro leite por parte paterna, e grande impulsividade por parte materna. Talvez eu seja uma manteiga...

Blogs
Comtrapondo
Aleixando
Café Expresso
Circulando
Entre os Cátaros
Fabricio Carpinejar
Jornalário
Number Fourty One
Papareia
Pense Verde
Perfect Puzzle
Taverna do Chico
Update or Die
young home foxtrot

Arquivos
Outubro 2005 / Junho 2006 / Novembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Maio 2007 / Julho 2007 / Agosto 2007 / Novembro 2007 / Junho 2008 /




Powered by Blogger
quinta-feira, agosto 30, 2007
  "Just Add Water"




Arte Contemporânea sempre surpreende... E Benjamin Anderson é um artista americano da nova geração que contribui para esse cenário. "Just Add Water" é o nome da sua nova série de quadros, retratam objetos e pessoas embaixo d'água. E eu pasmo: pintados a óleo e super realistas. Vale a pena conferir.
 
quarta-feira, agosto 22, 2007
  Bodes e Cabritas

Hoje, navegando pela internet acabei lendo um pouco sobre “bode expiatório”.

Lembro durante a infância não entender o que era um bode expiatório, mas muitas vezes servir como tal... Ou por que era a menina mais arteira ou menos dissimulada e “treinada” do que as outras. Quando alguém quebrava algo era só esperar a Cilene ir embora e colocar a culpa nela, e assim, muitas vezes ao ir na casa de crianças da minha idade os brinquedos eram escondidos; e claro, como criança a única coisa que restava era correr e mais uma vezes eu era vista como menina “mal-comportada”. E se o brinquedo aparecesse quebrado no futuro, ainda sim era “incriminada”, pois sempre diziam que fugi a vista dos adultos e “cometi o delito” . Era uma excelente “bode expiatório”.

Vindo de crianças, até poderia ser admissível, pois muitas têm medo da punição de seus pais ao invés de respeita-los. No entanto é desde pequenos que formamos nosso caráter, e não acredito que quem se comportava assim perca esse hábito.

Contudo me surpreendo que depois de adulta sirva ainda de bode expiatório... Não entendo as razões, porém é mais fácil armar e colocar a culpa em mim, me usar de bode. Mas já aviso: prefiro ser uma cabrita, tipo Tieta do Agreste. Afinal quem precisa de um bode expiatório ou é por que disputa algo indusputável, ou é incapaz de assumir suas ações e ser responsável pelos seus atos...

Já cabritas são impulsivas e dão de cabeça ao invés de usá-la paranóicamente. Que bom ser cabrita, pois as cabritas são beneficiadas pela Tríplice Lei!

 
terça-feira, agosto 14, 2007
  Aquarela do Brasil
Há tempos atrás um amigo me passou essa animação...
Hoje a reencontrei... E ela vai de encontro a minha parte infantil... (suspiro!)

É clicar na imagem e ver a animação!